Página Inicial » Pós-graduação » Educação » Projetos de Pesquisa

Projetos de Pesquisa

  • Bianca Salazar Gizzo

Nome: CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES DO SÉCULO XXI: UM ESTUDO SOBRE REPRESENTAÇÕES INFANTIS E PRÁTICAS DOCENTES 

Resumo: No Brasil, as décadas de 1980 e de 1990 foram emblemáticas para a Educação Infantil. A Constituição Federal de 1988 considerou a educação das crianças de zero a seis anos direito de todos e dever do Estado. Em 1990, houve a homologação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA, Lei 8.069/1990) que, de certo modo, reiterou esse direito. Alguns anos mais tarde, em 1996 com a homologação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB/EN, Lei 9.394/1996), a Educação Infantil tornou-se, legalmente, a primeira etapa da Educação Básica em nosso país. Por volta dessa mesma época, no início dos anos de 1990, uma Escola Infantil italiana, situada na região da Emília Romana foi considerada a melhor instituição de Educação Infantil do mundo. De lá para cá, a Itália, e mais especificamente essa região, tem sido o destino de muitos estudiosos que se dedicam a pensar e a discutir a educação da primeira infância. A perspectiva pedagógica adotada nas escolas do norte da Itália identifica-se com a Pedagogia da Escuta, cujas bases fundamentam-se nas ideias de LorisMalaguzzi que decorrem do pensamento de importantes teóricos como: Dewey, Vygotsky, Piaget, Brunner e Gardner. Resumidamente, as ideias de Malaguzzi enfatizam: a importância de priorizar a criança e não os conteúdos a serem ministrados e a relevância da observação e da documentação no que diz respeito aos processos desenvolvidos pelas crianças. Destacam, ainda, a autoformação docente e a prioridade à proposição e construção de projeto ao invés de programações fechadas. Estas bases, de certo modo, fortalecem um trabalho pedagógico em que as experiências das crianças ganham destaque, sem desconsiderar os tempos de maturidade de cada sujeito infantil. Aliado ao meu interesse e envolvimento com a Educação Infantil, o ano de 2016 pode ser considerado um marco para a Educação Infantil. Explico: em 2009, através da Emenda Constitucional no59/2009, propunha-se a obrigatoriedade de inserção da criança na educação formal aos quatro anos de idade. Consequentemente, sua oferta também passou a ser gratuita. Em 2013, essa obrigatoriedade consolidou-se através da Lei Federal 12.796/2013. Sendo assim, a partir de 2016, a pré-escola passa a integrar a educação obrigatória no Brasil. Em razão dessa obrigatoriedade, muitos embates e discussões têm sido empreendidos. Dada a importância que a primeira etapa da Educação Básica tem recebido, a presente pesquisa propõe, como objetivos centrais: 1) problematizar o modo como as crianças de quatro e cinco têm sido pensadas e conduzidas na Educação Infantil;

2) investigar que práticas pedagógicas têm sido com elas desenvolvidas. Desses objetivos, desdobram-se as seguintes questões: Que identidades docentes têm sido colocadas em prática no âmbito das turmas de pré-escola? A que demandas precisam atender? Que representações de infância circulam nessas turmas? Que identidades as crianças têm tido a possibilidade de construir? Convém mencionar que tais perguntas serão problematizadas e discutidas tomando como principal referencial teórico os Estudos Culturais em Educação, de viés pós-estruturalista. Serão centrais para a operacionalização das análises os conceitos de identidade e representação. O material empírico a ser analisado será produzido a partir da proposição de entrevistas semiestruturadas com professoras que atuam em turmas que atendem crianças de quatro e cinco anos e a partir de observações a serem realizadas em instituições que atendem essa faixa etária.

  • Carin Klein

Nome: POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA A INFÂNCIA E A JUVENTUDE: ALGUMAS IMPLICAÇÕES

Resumo: Tomando os campos teóricos dos Estudos Culturais, Estudos Feministas e de Gênero que se aproximam de autores/as pós-estruturalistas, este projeto de pesquisa tem como objetivo principal discutir a produção da infância e da juventude, sobretudo ao examinar as proposições e ensinamentos veiculados no âmbito das políticas públicas contemporâneas, nas áreas da Educação, Saúde e Inclusão Social. De modo mais especifico, esta proposta de investigação pretende agregar um conjunto de pesquisadoras/es em torno das seguintes indagações: quais são os ensinamentos e imperativos que as políticas públicas buscam constituir para a infância e a juventude? Quem tem o poder de falar? O quê? Para quem? E com que efeitos? Quais características, comportamentos, habilidades e capacidades esses indivíduos necessitam incorporar e/ou desenvolver para atingir as metas colocadas pelas políticas públicas e em alguns dos seus desdobramentos: programas, campanhas, folders, propagandas televisivas? Como o gênero atravessa e constitui a infância, a juventude, a docência e as relações familiares mediante os discursos que as políticas públicas incorporam ao buscarem governar a vida dos/as sujeitos? Que atravessamentos e incorporações de gênero estão presentes nas próprias instituições, campos de saber, símbolos e normas relacionadas às políticas públicas? Assim, ao assumir a linguagem como produtora das práticas sociais, tornar-se-á importante descrever e explorar: a) os documentos que instituem as políticas governamentais; b) a materialidade expressa por meio das falas, brincadeiras, grupos de discussão, conselhos e ensinamentos voltados às ações de inclusão social e/ou educação e(m) saúde que eles buscam conformar; c) o que as famílias, os/as profissionais necessitam apreender a fim de operacionalizar os ensinamentos propostos pelas políticas; d) de que forma se delimitam conceitos e representações de infância e de juventude ao organizar e instituir esses processos. As análises culturais fornecem ferramentas capazes de evidenciar as formas como os processos culturais são produzidos no mundo contemporâneo. Nesse sentido, os documentos oficiais, os ensinamentos propostos pelos/as técnicos/as, as resistências e as adesões de quem é nomeado como público-alvo e integrante das políticas públicas tornam-se alvo de exame, a fim de expor e desconstruir representações, conhecimentos e comportamentos naturalizados, entre outros alvos passíveis de atenção e trabalho. 

  • Daniela Ripoll

Nome: PEDAGOGIAS DO CORPO E DA NATUREZA: UMA AGENDA DE ESTUDOS DENTRO E FORA DA ESCOLA 

Resumo:  Como são produzidas as pedagogias do corpo e da natureza dentro e fora da escola? Como o corpo e a natureza vêm sendo produzidos (e capturados) pelo consumo? Como os professores de Ciências e Biologia vêm abordando, contemporaneamente, corpo e natureza nas salas de aula? Essas são as principais perguntas que norteiam a presente investigação - que tem como referencial teórico-metodológico os Estudos Culturais da Ciência e Tecnologia e os Estudos Culturais numa vertente pós-moderna e pós- estruturalista. Os principais objetivos deste projeto são os seguintes: a) analisar um amplo conjunto de artefatos culturais para verificar como se dá a construção discursiva do corpo e da natureza na contemporaneidade; b) realizar um amplo inventário das pesquisas sobre corpo e natureza desenvolvidas no campo dos Estudos Culturais e Educação; c) aprofundar os estudos envolvendo o conceito de pedagogia cultural e de currículo cultural. 

  • Darlize Teixeira de Mello

Nome: A AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES DE COMPREENSÃO LEITORA DE ALUNOS ALFABETIZANDOS: PROVINHA BRASIL E AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ALFABETIZAÇÃO DO PROGRAMA MAIS ALFABETIZAÇÃO E A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 

Resumo: A presente pesquisa fará uma análise documental comparativa entre os dois instrumentos avaliativos e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), buscando problematizar e discutir a concepção de leitura e as habilidades leitoras a serem avaliadas nesses instrumentos e presentes na BNCC. Examinará a relação entre as matrizes de referências: eixos e descritores de cada edição, os testes a serem aplicados nos alunos alfabetizandos e as escalas de níveis de desempenho, comparando os dados com a Base Nacional Comum Curricular. O trabalho apoia-se na perspectiva dos Estudos Culturais em Educação e caracteriza-se como qualitativo com foco descritivo-analítico. Cabe salientar que, na perspectiva de análise discursiva que essa pesquisa se insere, os textos documentais (Provinha Brasil, Avaliação Diagnóstica do Programa Mais Alfabetização e a Base Nacional Comum Curricular) serão analisados como resultado de um processo de construção social, artefatos culturais, uma vez que produzem identidades e subjetividades no contexto das relações de poder numa arena de significados sobre o processo de leitura do aluno alfabetizando

  • Deivison Moacir Cezar de Campos

Nome: PEDAGOGIAS DECOLONIAIS: A PRODUÇÃO E A CIRCULAÇÃO DE SABERES E IDENTIDADES POR ENTIDADES DO MOVIMENTO NEGRO NA AMÉRICA LATINA

Resumo: A presente pesquisa tem como objeto de estudos narrativas de experiências, memórias e saberes colocadas em circulação nas mídias digitais por militantes e organizações do movimento negro na América Latina. Parte-se do pressuposto que essas narrativas possuem uma gramática de produção e reconhecimento, produzindo saberes e identidades com potência pedagógica e decolonial. Esses artefatos, além de uma redescrição interpretativa desse pertencimento - Sodré, tensionam as narrativas hegemônicas sobre pertencimento e a presença das culturas e indivíduos negros na região. A denúncia do epistemicídio, produzido pelo "reducionismo europeu" - Aimé Cesáire, e da colonialidade -- Maldonado-Torres, como um processo duradouro, que perpassa esses artefatos, tem mobilizado iniciativas coletivas de produção de conhecimentos pelo movimento negro acadêmico e não acadêmico a partir de outras perspectivas formais e epistêmicas. Também apontam para práticas de resistência e existência que constroem uma pedagogia de pertencimento. No contemporâneo, as práticas tradicionais são atravessadas pelo processo de midiatização social, afetando as formas de registro, arquivamento e circulação dessas memórias, saberes e identidades, produzindo conhecimento. A midiatização refere-se ao modelo interacional de referência das sociedades contemporâneas, constituído pela articulação das relações sociais tradicionais com as mídias -- Sodré; Braga. Neste contexto de tecnocultura, a tecnologia leva à oralidade o que faz com que as culturas orais ganhem visibilidade -- Glissant. A circulação dessas narrativas de oralidade através de dispositivos técnico-midiáticos mantém rastros africanos e registros de memórias coletivas. Esses rastros e memórias oferecem o substrato fundamental dos significados atribuídos aos valores dos grupos sociais e constroem saberes e identidades. Por seu lado, a existência em fluxo das culturas afro no Atlântico Negro -- Gilroy, possibilitou novas articulações e potencializou a circulação dessas experiências e narrativas que encontram nessa espacialidade ampliada um fundo comum de racismo e violência, resultantes do período escravista. A permanência de um pensamento de rastro/resíduo constrói, por sua vez, uma contraposição e uma complexificação do sistema de pensamento euro-referenciado que se propõe como universal. 

  • Edgar Roberto Kirchof

Nome: Novos formatos da literatura infanto-juvenil digital:

Resumo: Dos book apps aos livros de realidade aumentada (Projeto aprovado através do edital Produtividade em Pesquisa - PQ 2018, vigência 2019- 2021) Pesquisador responsável Prof. Dr. Edgar Roberto Kirchof A pesquisa aqui proposta possui, como objeto, obras de literatura infanto-juvenil de realidade aumentada endereçadas a crianças e jovens. O trabalho a ser realizado, por sua vez, é de natureza qualitativa, está estruturado em três eixos temáticos e possui cinco principais metas. Os eixos são: a) um estudo sobre a dimensão estética e artístico-literária dessas obras; b) um estudo sobre a dimensão cognitiva e pedagógica dessas obras; c) um estudo sobre a dimensão comercial/mercadológica dessas obras. As principais metas da pesquisa compreendem: a) levantamento das principais obras literárias produzidas como livros de realidade aumentada para crianças e jovens; b) levantamento e estudo de bibliografia específica sobre obras literárias produzidas como livros de realidade aumentada para crianças e jovens; c) análise das obras encontradas e adquiridas com base nos estudos realizados a partir da bibliografia selecionada; d) produção de artigos acadêmicos para divulgar os resultados das análises; e) criação de um site onde serão disponibilizados os principais resultados da pesquisa.

  • Iara Tatiana Bonin

Nome: PEDAGOGIAS E POLÍTICAS DA DIFERENÇA: FORMAÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR EM FOCO 

Resumo: No projeto de pesquisa proposto, considera-se a intensificação das relações que os povos indígenas estabelecem com espaços, tempos e instâncias da cultura ocidental contemporânea (os centros urbanos, as escolas, as universidades) como pano de fundo para discutir pedagogias e políticas conduzidas por professores Kaingang do estado do Rio Grande do Sul, em espaços interculturais dedicados à reflexão sobre a educação escolar indígena. A escola, instituição historicamente imposta aos indígenas com pretensões colonizadoras e integracionistas, tem sido reconfigurada, em especial quando se colocam lado a lado conhecimentos e práticas culturais indígenas e conhecimentos e práticas ocidentais. Há um indiscutível esforço dos povos indígenas em ajustar a escola aos seus propósitos e projetos de futuro, mas a escola também produz efeitos cotidianos e transformações nas culturas. A proposição, neste projeto, é tomar um dos espaços interculturais nos quais os professores indígenas Kaingang têm transitado (qual seja, a ação Saberes Indígenas na Escola, processo de formação interinstitucional do qual tem participado a pesquisadora proponente) como espaço de produção de significados para educação escolar e docência. O objetivo é analisar como se constitui um pensamento específico sobre educação e escola nas produções discursivas e nas práticas de professores indígenas quando esses são provocados a colocar em diálogo suas experiências e saberes. A pesquisa será desenvolvida em duas etapas: na primeira, serão consultados os acervos de dados reunidos a partir de encontros de formação continuada de professores, no âmbito da ação Saberes Indígenas na Escola, Núcleo UFRGS, compostos por filmagens de reuniões e encontros de professores indígenas, fotografias, relatórios, anotações em diários de campo, transcrições de depoimentos, materiais pedagógicos, por exemplo. A segunda etapa consistirá em uma pesquisa de campo, que inclui visitas a duas aldeias Kaingang para realização de uma cartografia dos espaços educativos Kaingang, tendo como base a observação etnográfica, conversas e entrevistas com os professores, bem como com outras pessoas de referência na comunidade.

  • Juliana Ribeiro de Vargas

Nome: JUVENTUDES CONTENPORÂNEAS DE PERIFERIA E A SALA DE AULA: DISCURSOS, TENSIONAMENTOS E POSSIBILIDADES

Resumo: Elaborado frente aos aportes teóricos dos Estudos Culturais em Educação e dos Estudos de Gênero e de abordagens de Michel Foucault em uma perspectiva pós-estruturalista, o presente projeto de pesquisa tem como objetivo geral analisar relações estabelecidas entre diferentes expressividades das culturas juvenis contemporâneas e as práticas pedagógicas organizadas em escolas públicas, localizadas em regiões de periferia urbana, dos municípios de Porto Alegre (RS), Canoas (RS), Sapucaia do Sul (RS) e São Leopoldo (RS). Vale destacar que esta pesquisa se vincula ao Grupo de Pesquisa Cultura e Educação (GPCE/ ULBRA) e ao Programa de Pós-Graduação em Educação da instituição (PPGEDU/ ULBRA). De acordo com a perspectiva teórica elencada, o conceito de juventude remete à ideia de uma categoria plural, distante das classificações etárias e das descrições biológica como modos únicos para descrevê-la e contextualizá-la, tal como abordam autores como Feixa (1999) e Dayrell (2001). Compreendo que determinadas ações protagonizadas por jovens estudantes nos tempos atuais, como o uso intenso de artefatos tecnológicos nas instituições escolares, a exemplo dos aparelhos de celular, colocam-se como exemplo de expressividade das culturas juvenis na atualidade. Tais ações têm desestabilizado, em muitas situações, a organização do planejamento docente e, desta forma, provocam a (re)organização das práticas pedagógicas, fato que justifica a organização do estudo. A questão chave é: De que modo as expressividades juvenis contemporâneas fomentam práticas pedagógicas diferenciadas nas escolas? Desta questão, organizam-se os seguintes objetivos específicos a) analisar as principais expressividades das culturas juvenis nas escolas pesquisadas; b) compreender como professores e professoras constituem estratégias pedagógicas frente ao tensionamento provocado pelas expressividades juvenis em sala de aula; c) analisar os usos mais comuns que os alunos fazem dos aparelhos de celular na atualidade; d) conhecer as principais mídias musicais acessadas e compartilhadas entre alunos e alunas na contemporaneidade; e) analisar de que modo a experiência de ser aluno/aluna jovem tem sido atravessada pelos discursos visibilizados pelas mídias musicais, no que tange, principalmente as temáticas de gênero, sexualidade, consumo e juventude. Em uma primeira etapa, ocorrerá a seleção e contato com escolas públicas de Ensino Fundamental, localizadas em regiões de periferia, em cada um dos municípios elencados. Posteriormente, será desenvolvida a investigação com a aporte das seguintes estratégias metodológicas: observação participante do cotidiano dos estudantes (alunos do último ano do Ensino Fundamental) das escolas parceiras; questionário acerca das dimensões da vida juvenil, em especial sobre os usos dos aparelhos de celular pelos alunos e das mídias musicais escutadas pelos mesmos; grupos de discussão organizados com os estudantes e posteriormente, grupos de formação com os professores acerca dos dados produzidos e das análises realizadas. Como resultados do estudo pretende-se a) obter dados acerca dos modos de ser e de viver das juventudes contemporâneas de periferia na contemporaneidade e a relação de tais modos com as práticas pedagógicas elaboradas nas escolas; b) contribuir para organização de diferenciadas práticas pedagógicas nas instituições escolares, a partir do conhecimento de dimensões da vida dos jovens na atualidade; c) fomentar espaços de estudo e discussão das temáticas analisadas na pesquisa em cursos de Graduação e Pós-Graduação da Universidade Luterana do Brasil e ainda, para o público externo, através das atividades de ensino- pesquisa -- extensão; d) divulgar as análises realizadas na pesquisa em publicações e em eventos da área. 

  • Karla Schuck Saraiva

Nome: EDUCAÇÃO E DESLOCAMENTOS NA GOVERNAMENTALIDADE CONTENMPORÂNEA

Resumo: Este projeto de pesquisa dá continuidade ao projeto Educação e Governamentalidade contemporânea, encerrado em 2019. No projeto anterior, foram desenvolvidas análises de um conjunto de práticas educativas a partir da lente da governamentalidade, que tiveram como resultados diversas dissertações, teses e artigos em periódicos. Ao longo de seu desenvolvimento, foi possível perceber deslocamentos na governamentalidade, reconstituindo as artes de governar na Contemporaneidade. Em especial, foca-se em fenômenos como a emergência de um ultraliberalismo conservador, a radicalização da tecnovigilância e em processos de uberização do trabalho. Este projeto de pesquisa visa a dar continuidade às investigações a partir da problematização do quadro teórico de referência, articulando as teorizações de Michel Foucault com as de outros autores atuais, bem como com teorizações desenvolvidas no âmbito da pesquisa. Tendo em vista a abrangência, o projeto será desenvolvido por etapas, desenvolvendo-se investigações a partir de práticas que permitam construir um panorama das artes de governar no cenário atual e construindo-se um quadro teórico capaz de sustentar a pesquisa.

Nome: A NOÇÃO DE CIDADANIA NOS DISCURSOS EDUCACIONAIS BRASILEIROS 

Resumo: A inserção da temática da cidadania dentro da pesquisa sobre governamentalidade de Educação justifica-se, pois esta noção vem orientando boa parte dos discursos educacionais há longo tempo, na maioria das vezes sem maior precisão conceitual. Por ser fracamente definida, cidadania acaba sendo utilizada para justificar uma série de medidas e seu uso se modifica ao longo do tempo. A investigação aqui proposta se propõe a empreender um estudo de inspiração genealógica acerca da noção de cidadania e de sua articulação com a educacionalização do social na produção educacional brasileira. Ou seja, pretende-se identificar os entendimentos acerca do que seja cidadania a partir do uso do termo em artigos acadêmicos, buscando compreender as possíveis inflexões nas formas como foi significada, bem como sua articulação com propostas de escolarizar supostos problemas relacionados com a cidadania. O material empírico será a Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (RBEP), editada pelo INEP e publicada desde 1944, havendo até o momento 251 edições. A escolha deste periódico justifica-se por ser o mais antigo da área educacional do Brasil ainda em circulação, possibilitando a mirada genealógica que se pretende nesta investigação. Eventualmente, outros materiais poderão ser utilizados para a composição do corpus, caso se julgue conveniente durante a pesquisa. A análise genealógica buscará marcar as descontinuidades nas séries discursivas para, a partir daí buscar compreender as condições que tornam possíveis determinados enunciados, ou seja, a produção de determinadas verdades. O conceito de governamentalidade servirá como lente teórico-metodológica para esta pesquisa. O projeto será desenvolvido em três etapas: a primeira compreenderá as edições entre 1944 e 1964, quando se instala o governo militar. A segunda, entre 1965 e 1983, quando o governo militar está sendo finalizado e a revista passa a receber artigos de interessados e não apenas de autores convidados. A terceira etapa, entre 1984 e os dias de hoje. Com isso, pretende-se ter uma melhor compreensão acerca do que vem sendo tomado por cidadania, um termo amplamente utilizado no campo da educação, seja por pesquisadores, seja por documentos oficiais, seja por educadores de modo geral. Além disso, também se pretende compreender melhor a emergência dos processos de educacionalização do social, que se constitui em um fenômeno mais amplo, imbricado com a noção de cidadania. 

  • Maria Angelica Zubaran

Nome: A CONSTITUIÇÃO DE INTELECTUAIS NEGROS: TRAJETÓRIAS, REDES SOCIAIS E PRODUÇÕES CULTURAIS (RS, 1920-1930) 

Resumo: O presente projeto de pesquisa dá continuidade as pesquisas anteriores sobre protagonismo e pedagogias culturais na imprensa negra, porém nesta nova etapa da pesquisa busca ampliar o foco da investigação para a análise da constituição de intelectuais negros e suas produções culturais no jornal O Exemplo na década de 1920, explorando possíveis conexões com movimentos e intelectuais da diáspora afro-Atlântica. Na perspectiva teórica dos Estudos Culturais em Educação, se entende o jornal como um artefato cultural, que mais do que informar e entreter, produz e dissemina valores, comportamentos e modos de ser que contribuem na construção de identidades negras. O objetivo central desta pesquisa é mapear, analisar e problematizar as trajetórias e os escritos jornalísticos e poéticos de intelectuais afro-rio- grandenses que atuaram e escreveram no jornal O Exemplo na década de 1920, examinando como negociaram suas identidades na busca pelo reconhecimento e integração na sociedade porto-alegrense e como se apropriaram de diferentes referenciais da cultura negra diaspórica e se engajaram nos debates e lutas sociais de seu tempo. Para tanto, pretende-se visibilizar suas redes de sociabilidade e mecanismos de inserção social e engajamento político, de forma a traçar possíveis confluências e diferenças entre as suas trajetórias. A relevância e atualidade deste projeto vincula-se às políticas de Ações Afirmativas no combate ao racismo e a discriminação racial e aos esforços de setores da sociedade civil para fortalecer a implementação das Leis n. 10.639/2003 e n. 11.645/2008, que tornaram obrigatória a inclusão da História da África e da Cultura Afro-Brasileira e Indígena no currículo escolar das escolas públicas e particulares de educação básica. Nesta direção, investiga-se as trajetórias desses sujeitos negros não como meros objetos de pesquisa, mas reconhecendo e valorizando seu protagonismo, seus saberes e lugar de fala, que foram frequentemente silenciados na historiografia oficial. Pretende-se dessa forma, romper com hierarquias construídas pela epistemologia branca dominante, cujas representações racializadas posicionaram negros (as) como subalternos e inferiores, no contexto das políticas de branqueamento e de exclusão socio-racial no pós-abolição. Em termos teóricos, este estudo estabelece uma interlocução com conceitos de pensadores da diáspora negra do campo dos Estudos Culturais, mais especificamente, com Stuart Hall e Paul Gilroy, que postulam que as produções de intelectuais negros e negras estão conectadas a uma ampla rede de circulação de ideias do chamado "Atlântico Negro", que combina tradições, discursos e representações diversos, que contribuem na reconstrução e ressignificação de memórias e saberes negros e na constituição de identidades negras diaspóricas.

  • Maria Lúcia Castagna Wortmann

Nome: PEDAGOGIAS E MÍDIAS NA ABORDAGEM DOS ESTUDOS CULTURAIS 

Resumo: Neste projeto de pesquisa, desenvolvido entre 2017 e 2020 com a participação de professores e alunos dos cursos de mestrado e doutorado da ULBRA e da UFRGS, procedeu-se a revisão de estudos conduzidos em Educação sob inspiração dos Estudos Culturais e dos Estudos sobre Mídias. Buscou-se indicar algumas das direções seguidas pelas análises culturais conduzidas, a partir de tais referenciais. Buscou-se, também, dar suporte a dissertações de mestrado e teses de doutorado desenvolvidos na Linha de Pesquisa "Ciência, Tecnologia e Currículo" do PPG/Edu da ULBRA. O estudo envolveu, inicialmente, o levantamento de dados nos repositórios dos Bancos de teses e Dissertações da Capes, estendendo-se, também, aos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Pontifícia Universidade Católica do Grande do Sul, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal de Minas Gerais e Universidade Luterana do Brasil. Em uma etapa posterior foi examinado o conteúdo de algumas dissertações e teses dentre as identificadas, especialmente daquelas que envolviam a análise de mídias digitais. As reflexões realizadas atentaram para como têm sido procedidas nomeações, ordenações, classificações e representações da realidade social e física em instâncias que envolvem a Web e, notadamente, as redes sociais, os museus, os telefones celulares e os jornais on-line, instâncias nas quais são gestadas e postas em operação, de forma cada vez mais intensa, opções que envolvem a definição e a execução de ações políticas no mundo. O estudo subsidiou discussões sobre: as dimensões inovadoras, tecnológicas e interacionistas do Museu do Amanhã; as catastróficas consequências das tecnologias belicistas em séries televisivas como Walking Dead; as narrativas jornalísticas da tragédia do Brumadinho; a ciência considerada "divertida", ensinada em canais do youtube; as crianças youtubers que "ensinam" outras crianças a brincar em canais do youtube; o ensino de espanhol em aplicativos de celulares; os modos como Universidades gaúchas configuram sua vocação tecnológica em seus sites de apresentação; representações de sujeitos qualificados como superdotados em blogs criados por suas mães; auto-narrativas de sujeitos neurodiversos em espaços midiáticos online; as direções em que o game League of Legends opera como uma pedagogia cultural; narrativas sobre o Antropoceno na divulgação cientifica. Todos este temas possuem relevância para a ampliação das compreensões acerca das visões acerca de ciência, tecnologia e currículo tomado este último conceito na dimensão de currículo cultural assumida na perspectiva dos Estudos Culturais em Educação, área de concentração do PPG/Educação da ULBRA.

  • Moysés da Fontoura Pinto Neto

Nome: POLÍTICA ESPECULATIVA: CONEXÕES ENTRE VIRADA ONTOLÓGICA, IMAGINAÇÃO FUTURISTA E EDUCAÇÃO 

Resumo: O projeto busca examinar as consequências da 'virada ontológica' na filosofia (por autores como Quentin Meillassoux, Catherine Malabou, Ray Brassier, Graham Harman, Steven Shaviro, entre outros) e na antropologia (por autores como Bruno Latour, Viveiros de Castro, Martin Holbraadt, Philippe Descola, Tania Stolze Lima) em relação aos modelos políticos dominantes e o futuro da educação no século XXI. Apesar das significativas transformações no campo da filosofia teórica, tais inovações ainda não foram totalmente conectadas com a filosofia prática. O projeto propõe a hipótese de o conceito de política especulativa aparecer como correlato da virada ontológica e guarda-chuva para uma série de tendências que vão se tornando nítidas a partir do século XXI, provisoriamente nomeadas como aceleracionismo capitalista (neoliberalismo), etnofascismo exterminista, comunismo da automação total (fully automated luxury communism) e anarcoindigenismo. Para tanto, estrutura-se em três eixos temáticos: primeiro, como se produz a desconstrução das principais categorias da filosofia política a partir do problema da diferença introduzido pelo pós-estruturalismo, estudos decoloniais e outras correntes da filosofia contemporânea; segundo, como o deslocamento da epistemologia e filosofia da linguagem do pós-modernismo para a ontologia transforma, sobretudo a partir do evento Antropoceno, a forma de articular a política voltando-a em direção ao imaginário futurista; terceiro, como esses diferentes mundos futuros impactam sobre a ideia de educação, produzindo artefatos culturais diferenciados e choques entre mundos. Busca-se estabelecer uma cartografia dessas forças e identidades políticas e ideias de educação que percorrem esses imaginários. 

  • Ricardo Willy Rieth

Nome: IDENTIDADES E DIFERENÇAS NA GÊNESE E BASES HISTÓRICAS E TEÓRICAS DA MODERNIDADE OCIDENTAL E SEUS SUJEITOS: ANÁLISE DE REPRESENTAÇÕES E PRÁTICAS CULTURAIS ASSOCIADAS A ETNIA, RELIGIÃO E ECONOMIA

Resumo: O presente projeto aborda a discussão teórico-social em torno a "indivíduo" e "sociedade", ampliando a abordagem à compreensão de "identidade". Quer com isso dar suporte a pesquisas realizadas no âmbito da Linha de Pesquisa: "Pedagogias e políticas da diferença". A noção de "identidade" tem sido amplamente debatida. Na base da identidade estão simultaneamente a diferença e a igualdade. Igualar-se e diferenciar-se são práticas constituintes da subjetividade. Para Sousa Santos (1995), a identidade corresponde a uma "síntese de identificações em curso", isto é, é resultado transitório e fugaz de processos de identificação. O conceito não pode, portanto, ser compreendido como algo estático, pronto e definitivo, por ser construção incessante a partir de movimentos contraditórios. Os conceitos "indivíduo" e "sociedade" têm sido vinculados e relacionados de modos diferenciados no âmbito das ciências sociais. Abordagens teóricas que subsidiem efetivamente a Linha de Pesquisa: "Pedagogias e políticas da diferença" precisam partir de uma reflexão epistemológica sobre o conceito de identidade na relação com referenciais teóricos e metodológicos de duas correntes das ciências sociais: a que analisa a sociedade a partir da idéia de ação social, portanto, a partir do indivíduo; e aquela centrada no conceito de fato social, com a ênfase na própria sociedade como construção. Mediante o recurso aos "clássicos" (Marx, Durkheim e Weber), pergunta-se pelas possibilidades de um conhecimento sociológico da realidade. A "leitura" da sociedade a partir da teoria sociológica clássica precisa, por sua vez, ser complementada com a análise da reflexão de teóricos contemporâneos (Elias, Arendt, Veyne, Touraine, Giddens, Sousa Santos, Hall etc), uma vez que estes -- ao lado dos clássicos -- têm sido referenciais para a investigação em ciências sociais no contexto acadêmico brasileiro. O século XX testemunhou a expansão da modernização em proporções mundiais, quando esta acaba por abarcar praticamente o mundo todo e a cultura do modernismo se instala na cultura e nas artes. O grande paradoxo neste fenômeno de expansão e instalação da modernidade em nossa sociedade é que, na mesma medida em que esta se expande, ela se fragmenta em um sem número de matizes (nacionalidades ou grupos identitários) que não se sentem pertencentes a uma mesma identidade. A consequência é a perda da memória do que seria a trajetória desta mesma modernidade, que não é mais vista como uma experiência conjunta e sim como caminhos e trajetórias próprios de cada grupo. Cada geração relê e refaz o seu patrimônio cultural, em uma leitura feita do presente em direção ao passado, que é lido e interpretado de acordo com os sistemas simbólicos vigentes que lhe atribuem significados. Devemos observar a sociedade como um campo de forças onde se travam as lutas políticas, afetivas, identitários e a paisagem que resulta e? uma acumulação de tempos, de contextos, de projetos diversos que compõe as referências da comunidade, apesar de por vezes permanecerem no esquecimento. Porem não é este o modelo real e palpável que se nos apresenta, nossa realidade é de destruição dos lugares de memória, de desenraizamento, de desconstrução dos suportes sociais da memória coletiva. Todos estes elementos são criadores dos sentimentos de continuidade, de preservação, com a sua paulatina destruição, o cidadão sente-se progressivamente mutilado nos seus sentimentos coletivos em relação ao passado. Os objetivos da pesquisa são: - Investigar as compreensões teóricas de "identidade", "indivíduo" e "sociedade" nas ciências sociais; - Sistematizar a reflexão de teóricos contemporâneos acerca dos conceitos "identidade", "indivíduo" e "sociedade", priorizando sua revisão da tradição clássica em face da constituição da sociedade ocidental a princípios deste terceiro milênio; - Pesquisar a recepção de teorias clássicas e contemporâneas acerca de "identidade", "indivíduo" e "sociedade" no ensino e na pesquisa em ciências sociais no Brasil; - Identificar alternativas teórico-metodológica para a abordagem da memória social e das identidades; - Implementar debates e reflexões críticas relacionadas com as tendências historiográficas contemporâneas; - Propiciar a atualização bibliográfica nas diferentes áreas do conhecimento propostas abarcadas pelo projeto; - A partir do relatório de pesquisa, produzir artigos que reflitam o estágio atual do debate teórico-metodológico sobre "identidade", "indivíduo" e "sociedade". Quanto à metodologia, a pesquisa será bibliográfica, a partir de obras (fontes primárias) de teóricos clássicos e contemporâneos das ciências sociais, nas quais seja priorizada a discussão acerca dos conceitos "identidade", "indivíduo" e "sociedade" em suas múltiplas relações, bem como obras de comentaristas e sistematizadores (fontes secundárias) destas teorias. Quanto à tradição sociológica clássica, há consciência de com ela se abre um amplo leque de abordagens. Desde visões totalizadoras da realidade social, que buscam uma teoria apta a explicar e abarcar em um todo sistemático as múltiplas complexidades do real (Marx, Durkheim), até abordagens mais focadas, do ponto de vista epistemológico, na questão dos valores e sua interação com o conhecimento científico e, desde uma perspectiva metodológica, na pergunta pelas possibilidades do conhecimento sobre o real (Weber). Teóricos contemporâneos incorporaram criticamente aspectos destas abordagens e têm contribuído decisivamente na discussão acerca de "identidade".

  • Rodrigo Lemos Simões

Nome: REPRESENTAÇÕES E IDENTIDADES DOCENTES NAS REVISTAS TEXTUAL E EDUCAÇÃO EM REVISTA 

Resumo: O presente projeto faz parte da linha de pesquisa Currículo, Ciências e Tecnologias, e se propõe a analisar a construção de identidades docentes nas narrativas produzidas em dois artefatos culturais: a revista Educação em Revista, publicada pelo SINEPE/RS e a Revista Textual, publicada pelo SINPRO/RS. Neste sentido, busca ampliar as discussões acerca da dimensão pedagógica de artefatos, práticas e processos culturais, identificando os discursos e representações mais recorrentes sobre identidades docentes, educação, escola e sobre a relação destes com a sociedade. O presente projeto faz parte da linha de pesquisa Currículo, Ciências e Tecnologias, e se propõe a analisar a construção de identidades docentes nas narrativas produzidas em dois artefatos culturais: a revista Educação em Revista, publicada pelo SINEPE/RS e a Revista Textual, publicada pelo SINPRO/RS. Neste sentido, busca ampliar as discussões acerca da dimensão pedagógica de artefatos, práticas e processos culturais, identificando os discursos e representações mais recorrentes sobre identidades docentes, educação, escola e sobre a relação destes com a sociedade.


ULBRA Canoas - Avenida Farroupilha, 8001 · Bairro São José · CEP 92425-900 · Canoas/RS
Telefone: + 55 51 3477.4000 · E-mail:
Utilizamos tecnologias para melhorar sua experiência, mas prezamos pela privacidade, saiba mais em nossa política de privacidade.